A morte do ermitão

Crônicas
Tipografia

Germano Schneider, o último remanescente dos povos caçadores e coletores, morreu nesta semana. Conheci-o nos anos 1970, na casa do Jandir Kafer, em Sagrado Coração, Arroio Canoas. Me encantei pela simplicidade de um homem que sempre viveu em contato com a natureza.

Faça login e continue lendo

Com seu cadastro você tem acesso a todo o conteúdo de qualidade que você só encontra no contexto.


Seu primeiro acesso?
Clique e saiba como realizar o seu primeiro login para ter acesso ilimitado ao contexto.

Primeiro acesso

  • Anúncio